Como serão as mortes no futuro?

13/09/17 às 18h45

Você já teve que lidar com a morte de um parente ou amigo querido? Mesmo que a resposta seja negativa, sempre teremos a plena consciência de que este é um fardo muito pesado para carregar. Por mais que seja um assunto um pouco difícil para se abordar, afinal, não é todo mundo que se dispõe a conversar sobre isso, sempre é cercado por inúmeros mistérios, não é mesmo? Alguém sabe explicar com absoluta certeza o que acontece depois que morremos? Bom, até o exato momento ninguém tem a resposta para isso.

Mas será que você já se perguntou como serão as mortes no futuro? Será que alguma coisa pode mudar? Talvez nada mude em relação ao que viramos depois que morremos, mas tudo indica que a morte em si pode sofrer algumas transformações. O que acharia de "voltar a viver" na forma de um avatar? Essa é exatamente uma das propostas para o futuro.

Você poderia ter uma espécie de "fantasma digital", que poderia logar em seu Facebook a qualquer momento e manter uma boa conversa com seus amigos e parentes sobre os mais diversos assuntos, assim como faziam durante sua vida carnal. Parece ser algo bizarro não é? Talvez um típico episódio da genial série Black Mirror... Mas acredite, existem algumas startups que estão investindo pesado na ideia, afim de concretizar isso da forma mais fiel possível.

Uma das empresas que visa isso é a Etermine, que pretende combinar tudo aquilo que já foi postado em suas redes sociais, incluindo pensamentos, fotos e tudo aquilo que estiver presente em seu celular, para que com a ajuda de uma inteligência artificial, possam criar uma versão digitalizada sua.

Essa versão poderia interagir com todo mundo que antes você tinha contato, mesmo depois de anos da sua morte. Tudo iria depender da quantidade de informações que pôde absorver a seu respeito. De acordo com Marius Ursache, que é fundador da Etermine, o avatar seria capaz de oferecer qualquer informação sobre você, "desde dados bibliográficos até ter um papo envolvente".

Estamos falando do futuro, mas talvez ele não demore muito para chegar. A intenção é que este produto seja lançando ainda no ano que vem, e segundo a própria empresa, já se cadastraram no serviço um número bem superior que 37 mil pessoas. Parece que muita gente resolveu aderir mesmo!

Por outro lado, como já é esperado, a tecnologia avança de forma frenética e já pode ajudar as pessoas a organizarem os próprios funerais mesmo anos antes de morrer. Você pensaria em fazer isso? Bom, foi o exatamente o que Rebekah Doran, moradora de Los Angeles e com apenas 28 anos fez. Ela contratou uma empresa chamada Cake e deixou acordado absolutamente tudo que acontecerá em seu velório: frango e waffles serão servidos aos seus convidados, sem contar que também terão à disposição vinho francês, e poderão desfrutar de música folk.

De acordo com ela, é importante ter um plano para o fim da vida, principalmente quando se é jovem, já que nunca estamos esperando pelo pior. A empresa contratada por ela fica em Boston e permite que seus clientes definam suas preferências sobre como será o funeral, e ainda podem decidir o que acontecerá com suas redes sociais. Toda a informação coletada é armazenada em nuvem e compartilhada com a família para não correr o risco de que algo se perca e não funcione conforme o planejado.

É incrível pensar em como o mundo dos negócios vê oportunidade em tudo, não é mesmo? O setor que gira em volta da morte nunca foi muito especulado, executando sempre os mesmos processos, mas tudo indica que daqui pra frente veremos esse mercado sacudir, seja por meio de avatares digitais que te representem, ou mesmo com a possibilidade de organizar seu funeral da maneira que julgar mais adequada.

E então pessoal, o que acharam? Já conheciam ideias que giram em torno de como serão as mortes no futuro? Conhece alguma outra que não foi mencionada em nossa matéria? Compartilhem com a gente aí pelos comentários!

Via   BBC  
Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.