Como serão as escolas em 2030?

10/02/17 às 13h25

Você já parou para se perguntar como seriam as escolas/universidades daqui há alguns anos? Em uma época em que os métodos de ensino são os mais diversos, mesmo que, alguns, de maneira restrita, podemos dizer que boa parte da população tem acesso à escolas presenciais e/ou virtuais.

Os cursos abertos online, também chamados de MOOCs (Massive Open Online Courses), que no Brasil são mais conhecidos como EaD (Ensino a Distância), começaram sua expansão por volta de 2011. Ou seja, muito recente. E, mesmo assim, milhões de estudantes, no mundo todo, já possuem acesso aos cursos universitários, por exemplo, coisa que não era possível antes, claro, para uma determinada parcela da população.

Precisamos lembrar que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar. Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se interessarem e/ou identificarem.

Usando como exemplo a Universidade de Oxford, que será a próxima instituição a adotar esse método de ensino. Fora anunciado que será ofertado, a partir desse mês, o curso de Economia, juntamente com a plataforma de aprendizagem online edX, criada pela Universidade de Havard e MIT (Massachusetts Institute of Technology).

O mais importante desses cursos é que eles são onlines e gratuitos, para quem se interessar, desde que tenha acesso à internet. Se trata de um grandioso e importante avanço para a área da educação, em todos os níveis. Mas, de acordo com o futurista Thomas Frey, até 2030, esse método sofrerá algumas alterações impactantes.

Atualmente, o aluno pode assistir às aulas de sua casa (ou onde estiver) desde que esteja com seu computador (e, claro, acesso a internet), e os professores podem ministrar aulas em streaming (ou seja, ao vivo) ou por vídeo (gravados).

Frey acredita que em, no máximo, 13 anos, os cursos online não serão mais ministrados por professores. E que esse método de ensino ganhe mais e mais força. Mas, sim, por robôs. Ele prevê que até 2030 as empresas educacionais online serão as maiores da internet. Empresas das quais sequer ouvimos falar.

Para que isso é preciso que aconteça a aprimoração da tecnologia de inteligência artificial. Na disputa dessa corrida tecnológica estão Google - com a DeepMind - e a IBM - desenvolvendo robôs com tecnologia Watson. No que se refere a educação, a questão, de acordo com Frey é que "ninguém conseguiu ainda decifrar o código para o futuro da educação".

Ele acredita que os MOOCs do futuro,não terão instrutores humanos e, sim, robôs. A grande "sacada" é que esses robôs terão inteligência (algorítimos) suficientes e necessários para personalizar os planos de aula de acordo com as necessidades de cada aluno. Cada pessoa possui determinadas dificuldades e facilidades no que se trata de aprendizado. Por isso, esses robôs irão entender o padrão de cada pessoa, incluindo seus pontos fortes e fracos, interesses, etc., para que, da maneira mais eficiente consigam ensinar os alunos.

Assim, com o ensino personalizado, será mais fácil, rápido e prático tanto para o robô quanto para o aluno, que será capaz de apreender o que lhe foi ensinado de maneira muito mais rápida. Frey também fala sobre a substituição da escola tradicional pelos bots educacionais. Toda essa ideia depende da evolução da tecnologia de inteligência artificial. Um dos maiores problemas é o aprendizado da máquina em relação às interações sociais. "Muitos sistemas de AI hoje são (cognitivamente falando) como uma criança de 6 anos de idade."


E aí, pessoal? O que acharam dessa previsão para como será o ensino no futuro? Vocês gostariam de ter aulas com professores bots? Encontraram algum erro na matéria? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Júlia Marreto
É a dona de um coração esculpido pela literatura e preenchido pelos bons vinhos de Baco. Guiada nas artes da vida por Ares, possui a discreta delicadeza de um elefante pulando carnaval numa loja de cristais! Movida diariamente pelo combustível da vida: o café, essa garota possui raízes profundas na poesia da vida. É muito séria, mas sabe brincar na hora certa. Ama os animais e detesta filme de terror. Apesar de cantar mal, canta com sentimento. E adora musicais! Sua principal tentativa desportiva é o baralho. Ela gosta mesmo é de coisas antigas, apaixonada pela vida e sonha com o universo. Instagram: juliamarreto
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.