5 filmes que mais sofreram com a interferência do estúdio

11/08/17 às 17h22

Quando algum filme não sai exatamente como esperado, o primeiro profissional que vem à cabeça para culpar é o coitado do diretor. Levando em consideração que ele é a pessoa responsável por guiar boa parte do projeto, muitas vezes sua decisão equivocada realmente pode interferir de forma negativa o resultado do filme. No entanto, nem sempre ele ou ela conseguem ter a palavra final dentro do projeto. Isso porque nem sempre o estúdio permite que a pessoa responsável pela direção tenha liberdade criativa para desenvolver o filme de acordo como achar melhor. Dessa forma, o trabalho que chega aos cinemas para o público nem sempre foi o imaginado por seu executor.

Um dos exemplos mais recentes que se tem notícia é de Patty Jenkins. De acordo com a diretora, ela precisou discutir com o estúdio e bater o pé para eles aceitarem a manter a cena de No Man's Land. Uma coragem que valeu cada esforço, pois a cena foi uma das mais elogiadas de Mulher Maravilha. Infelizmente, o que não falta no meio são exemplos do tipo. Muitas vezes o filme possui grande potencial no papel, entretanto, ao decorrer do projeto, as interferências do estúdio ficam tão altas que o longa metragem ao chegar no cinema basicamente é outro.

Pensando nisso, selecionamos mais alguns conhecidos títulos que, de alguma forma, foram prejudicados por forças maiores.

5 - Esquadrão Suicida

O Universo Estendido DC está conhecido como "sombrio demais", algo que ganhou ainda mais força depois de Batman vs Superman: A Origem da Justiça. O problema é que ao invés da Warner Bros. decidir, digamos, clarear mais seus filmes aos poucos, ela decidiu pegar o finalizado Esquadrão Suicida, um filme sobre um grupo de mercenários que são obrigados a trabalhar para uma pessoa mais genialmente louca que eles, e colorir. O estúdio chegou a investir milhões de dólares em fotografia adicional e refilmagens, alterando bastante a visão que David Ayer tinha para o filme. Segundo fontes de dentro da produção, o bastidor chegou a ficar com um clima tenso e houve diversas brigas de ego envolvida. No final das contas, o longa foi um sucesso na bilheteria, mas não chegou a agradar a crítica especializada e divide bastante opinião entre os fãs.

4 - X-Men Origens: Wolverine

Dentro do universo cinematográfico de X-Men, podemos dizer o primeiro filme solo de Wolverine é o menos preferido do público. E adivinhem qual o motivo? O diretor Gavin Hood tinha a ideia de apresentar o longa e seus personagens em um tom um pouco mais sério e sombria, no entanto, ordens vindo de cima o impediram de seguir em frente com o projeto. Para completar, a ideia de ter Deadpool como um vilão e uma coisa quase irreconhecível também partiu da diretoria. A 20th Century Fox pode ter lucrado na bilheteria, mas levou retalha em boa parte das opiniões.

3 - Jogos Vorazes

A ideia de que todos os filmes precisam ter classificação indicativa para menores de dezoito anos para fazer sucesso é um argumentos mais usados para destruir um filme. Com a ganância de sempre tentar alcançar mais público, muitos estúdios simplesmente se esquecem de fazer um trabalho de qualidade e/ou de se manter condizente com adaptações que pretende desenvolver. A série de filmes de Jogos Vorazes sofreu desse mal. A Lionsgate decidiu que para chamar mais audiência para seu novo projeto, o longa teria de ser mais leve, ou seja, conter o mínimo de violência possível. Afinal de contas, o que pode haver de horroroso em adolescentes que vivem na miséria e são obrigados a participarem de um reality show para se matarem a fim de manter a paz mundial?

2 - Homem Aranha 3

"Eu tentei fazer dar certo, mas eu realmente não acreditava em todos os personagens, então isso não pôde ser escondido das pessoas que amavam Homem Aranha. Se o diretor não ama algo é errado ele fazer quando há outras tantas pessoas que amam", essas foram as palavras de Sam Raimi ao comentar sobre o que houve com Homem Aranha 3 no podcast do site Nerdist. Apenas para completar, nesta mesma entrevista, Raimi ainda diz: "Mas os diretores não gostam de falar sobre seus filmes ruins", ao passo que o apresentador Chris Hardwick responde: "Não acho que ruim seja a palavra certa". Para finalizar a conversa, o diretor o retruca com apenas uma palavra: "Horrível!".

1 - Homem de Ferro 2

Nem tudo é perfeito. Enquanto o primeiro Homem de Ferro foi um sucesso estrondoso, sua continuação teve muitos defeitos e alguns deles, acredite, foi por causa da própria Marvel Studios. A história de Homem de Ferro 2 parece não se encaixar e isso porque não foi o mesmo filme pensado por Jon Favreau. Enquanto o diretor queria desenvolver o personagem e seu atual status como herói, a Marvel usou o segundo filme solo de Tony Stark como uma propaganda para Os Vingadores. O estúdio mexeu tanto no longa que chegou a abalar sua relação com Favreau e até mesmo com Mickey Rourke, que fez o vilão Ivan Danko. O ator detestou o filme, pois seu personagem foi reduzido a quase nada, quando na verdade, ele havia gravado muito mais cenas do que realmente foi mostrado.

Esse é um assunto sério. Os estúdios precisam aprender a conceder mais liberdade criativa para sua equipe. Mas o que você acha sobre tudo isso? Acredita que a empresa está certa em meter o dedo, afinal o dinheiro é dela? Ou acha que ela deveria confiar mais nas pessoas que escolheu para desenvolver seu projeto? Não deixe de compartilhar sua opinião com a gente.

Via   CB     Collider     FS     SR     TT  
Imagens HDW GZ EH CA CS Youtube
Gabi Noronha
Khaleesi do horror, mantedora da zoeira e entusiasta da cultura pop!
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.