Essa companhia aérea quer oferecer um tipo especial de serviço

23/06/17 às 12h00

Se decidirmos parar e analisar como era o mundo a cinco, dez ou cinquenta anos trás, com certeza vamos encontrar realidades bem diferentes da que vivemos agora. Essa transformação fica cada vez mais veloz com a revolução dos avanços tecnológicos e afeta praticamente todas as áreas de nossas vidas.

Para muita gente, viajar de avião é algo tão ou mais natural do que de carro ou de ônibus. Apesar disso, não podemos dizer que as condições nas aeronaves são as mais luxuosas - principalmente quando se fala de classe econômica. Se não entende o que estamos falando, compare os voos de hoje em dia com as 10 fotos que mostram o quanto glamourosos eram as viagens de avião na década de 1950.

Apesar de boas previsões baseadas em tendências de evolução tecnológica apontarem ótimas condições para os anos que estão por vir, talvez as empresas tenham planos bem diferentes para realidades. Confira uma previsão de como serão os aviões do futuro, postada aqui mesmo, na Fatos Desconhecidos.

Economia de gastos

Na contramão das inovações tecnológicas e confortáveis, no entanto, uma companhia aérea colombiana está fazendo pesquisas e investimentos para oferecer um serviço pra lá de controverso. William Shaw, CEO e fundador da VivaColombia, declarou que está "muito interessado em qualquer coisa que faça viajar ser mais barato" e que "existem pessoas pesquisado se é possível voar de pé" dentro das aeronaves.

É isso mesmo que você leu. Assim como fazemos em ônibus lotados que circulam dentro das cidades, poderíamos ficar em pé dentro dos aviões para economizar no dinheiro das passagens.

Recentemente, a companhia anunciou que irá adicionar 50 aeronaves Airbus 320 a partir de maio de 2018. Os novos aviões devem ter mais assentos, economizar mais combustível e ter custos de manutenção mais baixos, reduzindo gastos da companhia e, consequentemente, dos clientes.

Viajar em pé

Apesar das decisões iniciais que devem cortar custos de passagens, o verdadeiro plano da empresa é economizar até mesmo nos assentos. Por conta das questões de segurança, as viagens não seriam feitas completamente de pé a todo momento, mas também não contariam com poltronas completas e (supostamente) confortáveis. Os assentos seriam substituídos por bancos altos, como encontrados em balcões de bares, por exemplo.

Não é a primeira vez que a ideia circula entre companhias áreas, mas a inovação não é bem vista por algumas autoridades. De acordo com o Diretor de Aviação Civil da Colômbia, Alfredo Bocanegra, ele não aceitaria tais condições.

"As pessoas precisam viajar como seres humanos", declarou. "Qualquer um que já viajou num transporte público sabe que não é a melhor experiência quando você está em pé."

Ideia antiga

A proposta da companhia colombiana não foi a primeira que pensou em diminuir o espaço das poltronas e o conforto dos passageiros. Em 2009, a companhia irlandesa Ryanair propôs vender passagens para quem estivesse disposto a viajar em pé, aumentando o número de passageiros à bordo e reduzindo os custos das viagens. A ideia foi abandonada em 2012, depois que foi barrada por legisladores.

Na época, a Ryanair queria instalar dez linhas de assentos verticais dentro de seus aviões. A medida poderia aumentar a capacidade das aeronaves em até 40 passageiros, permitindo oferecer bilhetes de apenas £5 (aproximadamente R$21) para quem estivesse disposto a viajar de pé.

Em 2015, a primeira companhia aérea com redução de custos da China também tentou investir em lobby para conseguir permissão de "assentos" para quem aceitasse viajar em pé, recebendo mais pessoas à bordo. A Spring Airlines defendeu que a medida iria permitir oferecer passagens por um preço mais acessível, tornando as viagens de avião mais democráticas.

O que achou da ideia? Você estaria disposto a pagar menos para abrir mão do conforto e viajar em pé? Se já é difícil nos ônibus, imagine dentro dos aviões.

Via   DailyMail     Miami Herald  
PH Mota
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.