7 assassinatos brutais estranhos que não possuem uma solução até hoje

31/07/17 às 19h51

Existem em nosso mundo muitas marcas e histórias bastante macabras. Quem é que nunca ouviu falar de crimes brutais cometidos por uma pessoa que nunca foi revelada? Sempre tem alguém que conhece uma dessas histórias. A verdade é que, por mais que casos do tipo sejam na maioria das vezes extremamente cruéis, não dá pra negar que sempre acabam despertando nosso interesse e nos deixando curiosos.

É incrível pensar em como alguém pode ter sido capaz de arquitetar algo tão desumano, e mesmo assim ter saído impune. Pensando nisso, separamos abaixo 7 casos de assassinatos brutais que aconteceram pelo mundo e que nunca tiveram uma solução exata. Confere aí!

1 - JonBenét Ramsey

A menina, que tinha apenas 6 anos de idade, era uma rainha de beleza infantil nos Estados Unidos, e foi morta em 1996. Segundo investigações, a menina foi estuprada e em seguida, espancada e estrangulada. Seu corpo foi encontrado no porão da casa onde morava, o que fez com que a própria família se tornasse suspeita, até porque, os pais da menina haviam registrado queixa de sequestro, mas apenas 8 horas depois, ela foi encontrada dentro de casa.

A questão é que uma série de erros da perícia criminal levou o caso a um mistério absoluto, e por mais que existissem muitos suspeitos, nunca encontraram o verdadeiro autor do crime.

2 - Crimes do Jack, o Estripador

Esse personagem macabro que conhecemos de histórias de terror, realmente existiu e seu apelido dá crédito à forma como matava suas vítimas. Dados indicam que, em 1888, ele mutilou e assassinou pelo menos 5 prostitutas em Londres, e o mais curioso de  tudo, é que por mais que ele entrasse em contato com a imprensa, sua real identidade nunca foi descoberta, e por mais que tivessem suspeitas, não haviam provas suficientes.

3 - Oscar Romero

O bispo católico Oscar Romero foi assassinado a tiros enquanto celebrava uma missa em El Salvador, e o mais estranho de tudo, é que no dia anterior, ele havia feito uma homilia pela paz, pedindo às forças militares do país para que cessassem a forte repressão, torturas e assassinatos contra os habitantes.

Tudo indica que o ato do bispo incomodou muito alguém, cuja identidade é desconhecida até hoje, mas as suspeitas são de que as ordens para a execução tenha vindo do próprio governo do país.

4 - Assassino do zodíaco

Zodíaco, apelido que o criminoso deu a si mesmo, matou cerca de 5 pessoas na Califórnia, Estados Unidos, no período entre dezembro de 1968 e outubro de 1969, mas segundo ele, fez outras 37 vítimas. Ficou muito famoso por enviar cartas aos jornais locais se gabando de seus crimes, e ainda mandava mensagens criptografadas, muitas delas que até hoje não foram decifradas.

A polícia tinha aproximadamente 2.500 suspeitos, mas nunca conseguiram chegar até a real identidade do assassino. Diferente de outros serial killers, Zodíaco não tinha nenhuma característica em particular, e ele mesmo afirmava que matava apenas pelo prazer.

5 - Alexander Litvinenko

Alexander Litvinenko era um russo, tenente-coronel que acabou desertando o Reino Unido em serviço, o que transforma os serviços de inteligência russos em suspeitos. Alexander morreu envenenado por polônio 210, que pode ser considerado o mais letal dos venenos. Seu assassinato aconteceu em novembro de 2006, depois de tomar uma xícara de chá, ele passou mal e foi levado ao hospital, onde morreu 22 dias depois. O verdadeiro autor do crime, assim como os demais, nunca foi encontrado.

6 - Thelma Todd

No dia 17 de dezembro de 1953, a atriz Thelma Todd foi encontrada morta em seu conversível. A causa da morte foi uma grande exposição ao gás carbônico liberado por seu próprio veículo, e tudo indicava que havia sido um suicídio, até que a perícia encontrou sangue na boca e no carro da atriz, incluindo uma digital que nunca foi identificada.

Como ela sofria de depressão e já havia mencionado a possibilidade de um suicídio, as autoridades responsáveis pelo caso simplesmente o encerraram, mas nunca foi de fato solucionado.

7 -Mary Pinchot Meyer

A mulher que era artista plástica e supostamente teve um caso com o presidente Kennedy, foi morta com tiros à queima-roupa que foram disparados na parte de trás de sua cabeça e em seu peito, no ano de 1964. Um homem trabalhava por perto e escutou o que parecia ser uma mulher chorando, seguido de alguns disparos. Ele foi em busca do som, e se deparou com o corpo dela jogado ao chão e com um homem de pé ao lado, este, que foi preso como o autor do crime, porém, pouco tempo depois foi solto já que a arma do crime não foi encontrada.

E então pessoal, o que acharam? Conhecem algum outro crime que não poderia ter ficado de fora da nossa lista? Compartilha co a gente aí pelos comentários!

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.