5 invenções mais surpreendentes da 1ª Guerra Mundial

06/04/17 às 15h35

Algumas pessoas defendem que a necessidade é a mãe da criatividade. Isso porque em situações de vida ou morte, como nas guerras, por exemplo, é preciso criar e desenvolver soluções novas para conseguir se livrar de problemas e se sobressair de formas especiais.

Mais de cem anos depois do início da Primeira Guerra Mundial, ainda hoje nós dependemos de tecnologias que foram desenvolvidas durante um dos maiores conflitos militares do mundo moderno. Desenvolvidos a partir da necessidade militar, alguns dos conceitos ultrapassaram as trincheiras e conquistaram o mundo todo.

Vamos conferir algumas dessas invenções, que talvez você nem soubesse que foram criadas durante a Primeira Guerra Mundial.

1 - Lenços higiênicos

Em 1941, Ernst Mahler era o chefe de uma pequena empresa norte americana chamada Kimberly-Clark quando vistou algumas fábricas de papel na Alemanha e outros países próximos. Ali, ele descobriu um novo tipo de celulose, chamado de "cellucotton" (a palavra é derivada da junção de cellulose e cotton, algodão em inglês). O material era cinco vezes mais absorventes do que o algodão puro e custava apenas metade do preço, se produzido em grandes escalas.

Conhecendo o material, Mahler passou a produzi-lo nos Estados Unidos. Em 1917, quando o país entrou na guerra, sua empresa produzia material para curativos. Além disso, enfermeiras da Cruz Vermelha começaram a apostar no novo tipo de algodão para a sua própria higiene nos campos de batalha. Assim que a guerra acabou, a fábrica de Mahler investiu numa tecnologia ainda melhor, deixando o material mais macio e desenvolvendo os primeiros lenços umedecidos para higiene pessoal.

2 - Relógios de pulso

Para enfrentar os campos de batalhas, os soldados da Primeira Guerra Mundial precisavam guardar muitas coisas em seus bolsos, tantas delas que acabavam não tendo espaço para guardar seus relógios de bolso. A solução foi utilizar uma invenção que, na verdade, já existia antes da guerra: os relógios de pulso. Apesar de existir antes do conflito militar, eles eram utilizados principalmente por mulheres, pois eram encarados como peças de joias.

Para a guerra, no entanto, os relógios precisavam ser maiores e conter recursos luminosos para poderem ser utilizados no escuro. Os relógios eram sincronizados para que os movimentos de soldados e artilharias fossem coordenados, como invasões de bases inimigas ou ataques a adversários. Apesar do conceito não ter sido originalmente criado durante a guerra, a forma como conhecemos os relógios hoje é diretamente influenciada pelos recursos incluídos ao longo do conflito militar.

3 - Salsichas vegetarianas

Por conta das barreiras comerciais que os alemães enfrentavam durante a guerra, eles precisavam criar soluções de todos os tipos para substituir a falta de comida no país. Dentre as mais ousadas, estavam utilizar ferragem para fazer pães, por exemplo. Perante essa situação, o prefeito de Colônia, Konrad Adenauer também criou uma solução para não ver a crise alimentar na região.

Ele inventou uma espécie de salsicha vegetariana feita de soja, farinha, milho, cevada e arroz, conhecida como "Kölner Wurst", ou salsicha de Colônia. A princípio a ideia não teve muita atenção, pois os alemães não consideravam a alternativa saborosa como as tradicionais salsichas de carne, mas algumas variantes do alimento são comuns em dietas ao redor do mundo.

4 - Cirurgias plásticas faciais

Diante da quantidade de ferimentos graves que a guerra causou nos soldados durante a Primeira Guerra Mundial, os especialistas em medicina precisaram desenvolver diferentes técnicas de cirurgia para reparar feridas desfiguração facial nos olhos, orelhas, narizes ou mandíbulas das tropas atingidas.

Entre os médicos que ajudaram a desenvolver os procedimentos faciais, estavam Harold Gillies e Henry Pickerill. Foi Gillies quem teve a ideia de utilizar tecidos dos corpos dos próprios pacientes para reduzir o risco do corpo reduzir os pedaços de pele utilizados nos transplantes. A partir de suas descobertas, ele publicou o livro Cirurgia Plástica da Face, em 1920.

5 - Controle de Tráfego Aéreo

Antes da Primeira Guerra Mundial, o rádio já havia sido inventado e era extremamente popular, mas grandes avanços foram feitos durante os conflitos quando os exércitos perceberam quão valioso era essa ferramenta. Onde a utilidade do rádio foi mais aparente foi no ramo da aviação. No início, os pilotos que saíam do solo não tinham uma forma de comunicação com controladores de voo ou outros pilotos.

Foi só em 1916, quando o Exército dos Estados Unidos instalou o primeiro rádio de duas vias numa aeronava que os pilotos passaram a poder enviar sinais a até 225 km de distância, além de compartilhar mensagens telegrafadas entre aviões durante os voos. No final do mesmo ano, um capacete especial com microfone e fones de ouvido também foi criado para bloquear os sons externos e melhorar a comunicação. Além de mudar a cara da guerra, a tecnologia se tornou fundamental e é a base das comunicações entre aeronaves que conhecemos hoje em dia.

Por mais que a guerra deixe marcas terríveis em nossa história, é possível perceber que os tempos de necessidade realmente geram criações úteis e produtivas para a humanidade. Qual delas você achou mais interessante?

PH Mota
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
COMPARTILHAR INSCREVA-SE

VER COMENTÁRIOS

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.